O dia que eu me perdi 1

O dia que eu me perdi

Em P40 por perdidoaos401 Comentário

Costumo dizer que somente me perdendo é que consegui me encontrar, foi dessa forma que encontrei o caminho de volta.

Andava distraído com meus problemas e insatisfação e não enxergava uma solução, na verdade eu nem sei se buscava uma solução, saía para pedalar ou correr dia sim dia não, a saúde física ia bem chegava em casa cansado e suado mas senti-a me infeliz novamente assim que endorfina baixava, eu usava minhas medidas profiláticas para esconder aquele sentimento que crescia dentro de mim, encará-lo exigiria de mim algo mais forte, eu precisaria agir.

O dia que eu me perdi 2

Uma noite eu fui para o quarto e antes de dormir resolvi ocupar minha mente assistindo um filme, liguei meu computador e enquanto escolhia qual seria minha distração da noite senti uma tontura, minha vista começou a escurecer e eu comecei a suar sem parar, não sabia o que estava acontecendo, eu fechei a tela do computador, deitei e comecei a chorar, naquele instante absolutamente nada na minha vida tinha sentido, estar ali respirando, deitado no quarto, acordar no dia seguinte, encontrar pessoas, trabalhar, nada. Perdi o propósito de viver. Estava tendo um ataque de pânico.

Dormi rezando e tive um pesadelo entre o bem o mal querendo dominar meu corpo e meu espírito.

Acordei e conversei com meu irmão mais novo, sabia que precisava de ajuda.

No dia seguinte resolvi ir para praia sozinho, levei comigo meu computador e uma garrafa de vinho. Sentei-me com o computador na varanda, abri a garrafa e enchi uma taça, fiquei ali olhando a tela do computador e lágrimas começaram novamente a escorrer.

Digitei então no computador, “estou perdido, estou perdido aos 40”.

Ali começou o projeto que você acompanha hoje, perdido nos meus 40 e poucos anos. Na manhã seguinte tomei a decisão de mudar toda minha vida, deixei tudo que construí e que não me trazia felicidade e parti.

O dia que eu me perdi 3

Não foi um trabalho fácil, sofri muito durante o processo e demorei para entender algumas verdades tão escancaradas diante de mim que eu recusava a aceitar que fazia parte daquela vida que deixei para trás, pouco a pouco fui me despedindo do velho formato, das velhas atitudes e pensamentos e até mesmo de algumas pessoas.

Recebi duras críticas por ter mudado, por ter largado uma vida dentro dos padrões para arriscar um novo estilo de vida mas eu não sentia falta do que deixei, algumas perdas foram duras e sofri por elas mas se foram.

Com o passar do tempo comecei a reconstruir-me e sentia-me cada dia mais forte, notei então que havia algo diferente em mim, eu voltei a sorrir, sentia-me leve e em paz. Senti que estava desperto para uma nova realidade e, que agora acordado e conhecendo-me um pouco mais, aquele estado de estar perdido e sem propósito havia se transformando numa vontade insana de me perder cada vez mais por aí explorando esse mundo, ouvindo histórias, tocando gente e ampliando meus 5 sentidos ao máximo.

O dia que eu me perdi 4

Dois fatores foram fundamentais para toda essa mudança, fé e coragem. Fé é a ausência de dúvida, é acreditar em algo e eu sempre acreditei demais em mim. Coragem para largar o passado, para largar a zona de conforto e descobrir o que estava reservado para mim do lado de fora da caixa. Acrescento aqui um pouco de curiosidade também.

Juntei minha fé com a coragem e fui me perder por aí, fui com medo, mas eu fui. Sabe o que eu encontrei?

A mim.

Quero ajudar você a fazer o mesmo.

Perdido aos 40

Comentários

  1. Adoro esse conceito: estar desperto. Acho q ele carrega muita energia e também muitas respostas. É como se fosse um ser disponível esperando para ser acessado… Parabéns pelo texto, evoluindo cada dia mais! Bjo!

Leave a Comment